25 de novembro de 2011

Diga adeus e atravesse a rua

Vejo-te assim: branco, reluzente, eterno, distante.
E a vontade de me aninhar em teus braços se faz presente.
A saudade dos teus carinhos e cafunés atormenta o peito.
O doce dos teus lábios retorna à mente.
A dureza das tuas palavras destrói tudo o que o coração tenta buscar.
O áspero de tuas atitudes leva tudo embora. Até mesmo o sentimento que insiste em perdurar.


18 de novembro de 2011

Meu namorado

É claro que me apaixonei. Como não se apaixonar? Alguém tão singelo, tão delicado, tão especial, tão lindo, tão surpreendente, tão homem... Uma vez uma amiga me perguntou: você já parou pra pensar que algumas garotas passam ao seu lado e pensam "ai como eu queria um namorado assim..." ou então alguns garotos passam por você e suspiram "nossa que inveja, como queria uma namorada assim..."? E a minha resposta foi não. Eu nunca tinha parado pra pensar o quanto tive sorte, o quanto fui beneficiada com um companheiro, com uma paixão, com um amor desigual! Um amor que atinge seus princípios, um amor eterno e complacente, sem grandes mágoas, sem feridas profundas. E que amor! Uma carícia, um sorriso, um gesto, um olhar, e ai está! A receita perfeita para um amor perfeito... Um amor único, especial. Um amor que só poderia ser o seu. Intocável, insubstituível, nosso. Eu te amo, meu namorado.

5 de outubro de 2011

Sem seguro

O que te ofereço é mar e tormenta,
ressaca e ventania,
pedras,
bancos de areia,
icebergs
e recifes de coral

O que ofereço não tem descanso,
não tem repouso ou remanso,
nem garantia de felicidade no final

O que te ofereço pode doer,
corromper, modificar,
fazer sofrer
faltar seu ar

Te jogar pro alto
te confundir
e enlouquecer
e te ferir
te dizer sim
e te fazer não

O que te ofereço não é seguro
dá medo, altera o pulso,
mas prometo passar junto,
passar tudo,
sem soltar a tua mão.

30 de setembro de 2011

So would I

I'm such in love with you. Every time I think about you, hugging you, kissing you, my heart runs out of my chest. I just wanna love you for the rest of my life. And I don't care about who's going to depreciate us, because all I want in this moment is you. Be with you. For ever. As you said: 'I would do anything to be with you.' I wanted do answer 'So would I.' But I was surprised enough to do it. I don't think our passion is going to have an end, because undoubtly it has reached the largest affection ever, and it won't be easy to decrease. 'I want you. I think about you. I need you. I love you.'

24 de setembro de 2011

Quero ficar só com você

Espero-te não apenas pelo amor que aqui persiste,
não apenas pela saudade que aqui nesse peito martela.
Espero-te porque o quero,
o quero olhar,
o quero beijar,
o quero abraçar,
o quero sentir.
Espero-te porque o amo,
amor que aqui insiste.
Espero-te pelo fato de que ao esperar, sei que tua presença vem depois!

Eu quis você e me perdi

A cada dia que passa, me perco mais e mais nessa tua confusão.
Pouco a pouco tuas palavras se tornaram as minhas.
Pouco a pouco meus dias se retomam apenas por saber de tua existência.
Pouco a pouco tua voz se tornou minha canção.
Pouco a pouco meu coração se tornou teu. E sei que está em boas mãos.

10 de setembro de 2011

Crime perfeito

Quem nunca ouviu o trecho 'somos suspeitos de um crime perfeito, mas crimes perfeitos não deixam suspeitos' e pensou em um assalto ao banco? Quem diz o que o autor de tal música quis dizer com essa contradição? Vou dizer o que penso. Quem quer que seja o suspeito do crime, ele ama. A incerteza do pecado, o pesar da consciência por algo impercebido, a dor de sustentar a incógnita que é o sentimento do outro. Por que se distancia tanto da cabeça das pessoas que o 'crime perfeito' é o amor? E que tais crimes não deixam suspeitos pelo simples fato de não existir amor único e perfeito, mais conhecido como verdadeiro? Paixões ficam e vão. Amor não, amor é para a vida. Não porque, no leito da morte, se lembrará de alguém que significa que o amou. Lembre-se de alguém a cada momento, a cada ação, a cada toque, a cada paixão. Aí sim pode-se dizer, com toda a certeza do mundo: foi o amor da minha vida!

Ilusão

Somos o que queremos ser, queremos ser o que não somos. Simples é o fato de não sabermos nosso futuro. Mais simples ainda é o fato de isso ter vindo para nós por um simples objetivo: lute, e lute muito, pois não sabemos o que nos fará mal e este é o único jeito de descobrir. A recompensa por uma atitude conveniente sempre será um aprendizado, com o qual se ganha de brinde um sorriso ou lágrimas, arco-íris ou chuva, a desilusão ou o sonho. Não vale a pena amar, é algo que ouvimos e pensamos, em maus momentos. Quero amar, quero viver, quero sonhar, quero ser iludida, quero ouvir mil vezes dizerem que me amam. Não existe sentimento melhor que a ilusão.

Lua cheia

Não há modo mais sincero pra dizer 'eu amo você' que um simples olhar embaçado, como a Lua mais cheia na noite mais clara. É sem preço, é sem palavras, que compra a maior felicidade do mundo, a alegria de ser amado por alguém. Sinceridade no olhar, aquilo que nos transmite a maior segurança e confiança para continuar no nosso caminho de paixão, na certeza que aquele luar nunca vai deixar de existir, nunca vai te abandonar e nunca vai te desejar a dor.

9 de setembro de 2011

Te odeio por quase um segundo, depois te amo mais.

E assim, agora, com poucos dias para a tua chegada, sinto-me metade.
Metade do que era, metade do que será.
Metade o que almejo, metade o que desejo.
Metade amor e a outra metade também.

8 de setembro de 2011

"Let's get together,

Era uma estranha coisa,
sem começo nem fim, e que no entanto não era infinita.
Contemplava aqueles olhos, tão meus.
Aquele sorriso, onde minha liberdade se atolara.
Aquela risada, onde meus dias se perderam.
E agora o sem começo nem fim, acabou.


 before we get much older." The Who - Baba O' Riley

Sushi e hortelã.

Adivinho sem muita certeza o que se passa nessa tua cabecinha.
Com grande juízo,
sorriso amarelo,
jeitinho donzelo,
encanto-te.
Então se rende ao meu jeito oriental de mulher má, ou eu rendo-me ao teu.
Bom, um dia eu descubro.

I'm afraid, really.

Olhava em seus olhos,
enquanto gentilmente conservava suas mãos entre as dele,
espantada com aquele carinho jamais antes demonstrado.
Que há com ele, será amor? - Pensou ela.
Foi quando, um suspiro lhe chegou aos ouvidos, então chegara a hora de parar de pensar, e simplesmente, rendeu-se aos encantos antes jamais demonstrados do querido.
Pena, foi só mais uma! - Pensou ele.

Love was such an easy game to play, now I need a place to hide away.

E você chegou, querendo instaurar no meu coração, um amor puro e sincero, no lugar do meu amoreco indignado e desestimulado pelo estrangeiro.Indignado por não ter conseguido o amor e atenção de quem amava, e desestimulado por aquela ilusão passageira e dolorida.
Você chegou como um spray de cânfora, aquele que retirou minha dor e ainda deixou no ar seu cheiro confortador. E eu desejei, como desejei, poder te revidar com o mesmo puro e sincero amor, mas meu coração já viciado em outra mera ilusão, não pode nos conceder o que tanto almejávamos.
E agora que a minha antiga ilusão se transformou no meu bem querer, é com você que eu gostaria de ouvir o ‘tec, tec’ da chuva na janela, e é tua voz que eu desejo ouvir, perguntando ‘O quê? O quê?’, enquanto bem baixinho murmuro algo no teu ouvido, algo como: ‘Boa noite, meu amor’.

Somewhere in his smile he knows, that I don't need no other lover

Penetrando no meu coração de desiludida extremosa, seu imenso e dedicado amor se fez presente. Amor dedicadíssimo, o qual me traz proteção e auxílio. Em manhãs tristes e escuras, és como o sol, iluminando meu horizonte. Por tantas vezes não o vi, mas hoje o sinto sempre presente. Com enorme felicidade, e um exuberante sorriso estampado no rosto, atendo seu telefonema, no qual você me diz: ‘eu te amo e quero ficar para sempre do seu lado’, então em pensamento –para não parecer boba demais, digo a mim mesma: "eu também te amo e é você quem eu quero do meu lado, para poder ver seu sorriso a qualquer momento do dia, e velar seu sono mesmo que este esteja inquieto por pesadelos noturnos", então é quando as únicas palavras que consigo pronunciar é : "eu te amo", enfim, quando desligo o telefone espero que tenha desvendado todos meus pensamentos por trás dessa simples frase, que no fim das contas não é nem um pouco simples.

7 de setembro de 2011

Lá vem você,

com teu charme macio.
Sorrindo,
olhando,
como quem sabe amar.
Mas, no fundo,
por de trás da máscara,
conheço-te.
Conheço tuas garras,
afiadas,
bem polidas,
pois na hora do ataque,
não pode estar suja com o sangue da antiga vítima.
Felizmente,
desta vez, esquecestes de limpá-la.
Minha sorte,
pois só assim,
vi teus verdadeiros olhos por de trás do herói.

8 de julho de 2011

Nada errado com o coração, nem com o corpo, nem com a alma. Claro, pensando no futuro do que em termos imediatos. E isso é algo tão secreto, tão secreto que chega a ser uma desvantagem. Algo tão bobo, quanto angustias fúteis.
- Então, tome um tranquilizador para tua mente.
- E quanto as minhas inquietações, também cessarão?
- Não, essas não, as mesmas só quando freares o químico de tuas emoções.
- Ah, muito obrigada, doutor, e qual o remédio pra isso?

A indecência pura dos retratos no salão

— Porque já não te estimo o suficiente, e tu já não me amas.
Falara com segurança, mas mostrava-se surpreendida e amedrontada com o que dissera. Já não havia nos seus olhos senão uma interrogação inquieta. Continuou tristemente:
— Para pensares de mim o que pensaste, é preciso que tenhas deixado de me amar...
Era quase uma pergunta. Se ele a abraçasse, se lhe dissesse que a amava, tudo poderia ainda salvar-se. Casaria com ela, teriam a criança, viveriam juntos o resto da vida. Ele levantara-se. Ia dizer: "Amo-te." Hesitou e disse com voz clara:
— E verdade... já não sinto amor por ti.

Jean Paul Sartre - A idade da razão

16 de maio de 2011

E como o bate estaca que persiste, olhar o mundo com paixão gelada não me é possível largar.

17 de abril de 2011

Só um bilhetinho azul

Esquecia-me a sensação de
borboletas no estomago,
de pensamentos vagando em um sorriso conhecido, em olhos os quais buscam os meus.
Olvidava-me o que é sentir vergonha,
vergonha de olhos tão pequenos e insinuantes que me encaram,
de dedinhos que insistem em apertar meu nariz
e mãos que anseiam por tocar minha face, corada do sol.
Não recordava o que é sentir,  assim, de verdade.
Sentir frio gostoso, com sabor de sorvete de limão.
Era passado olhar a chuva e devanear com chocolate quente enquanto os pensamentos vagavam.
Ai, ai, tinha me esquecido como é entregar o coração pra alguém e ir descobrindo assim, sem pressa, com incertezas, conhecendo os pequenos detalhes do outro.
E me lembrei, com você, que bom...

16 de abril de 2011

- O que é que estas a dizer? Indaguei-a com ódio frio.
- Ele não a ama, ele mesmo me disse.
- Mas, mas...mas...ele não me enganaria, eu sei, o olhar dele foi sincero quando me relatou sobre o modo dela o instigar, seus olhinhos brilharam, daquela forma que só reluz se há um amor.
- Ele finge bem.
- Como você sabe?
- Sabendo, oras.
- Pois bem, não acredito em ti.
- Mas, é verdade, não minto.
- Que seja, prefiro olhares a palavras.

14 de abril de 2011

9 de abril de 2011

O autocarro enorme e infantil transportava-o, fazia-o virar à direita e à esquerda, sacudia-o, maltratava-o; os acontecimentos batiam de encontro aos vidros, ao banco, era embalado pela rapidez da sua vida. Pensava: "A minha vida já não me pertence, a minha vida é apenas um destino."

A idade da razão - Sartre

7 de abril de 2011

Sonhar com teus olhos é como ter o peso do imaginário batalhando para se concretizar.

31 de março de 2011

Somehow that it's written all over my face.

É um imaginar diferente, incrustado de epifanias e utopias.
É um sentir com arrepios, com cafuné e cheiro no cangote.
É um abraço quente, com cheiro de lírio, rosas, o mais doce cheiro.
É um medo de acreditar, acreditar que seja verdadeiro e não ser.
É uma vontade de o abraçar e nunca mais soltar.
É... somente é.

23 de março de 2011

Relações superficiais não me agradam como dantes, não mais.
Quero sentimentos e emoções,
poder me desmanchar em charmes e receber carinhos.
Sorrisos e olhares sinceros, para os poder retribuir.
Quero, e hoje não aceito menos que isso.
Não hoje, não mais.

9 de março de 2011

Abra os olhos e o coração, estejamos alerta.

"- Não te falou das minhas visitas porque teve receio de que a forçasses a pôr um rótulo no sentimento que tinha por mim, de que o desmontasses para devolvê-lo em pedacinhos bem analisados... É qualquer coisa hesitante, mal definida”.
A idade da razão - Sartre


Então, sempre que vejo algo assim, sempre que leio Sartre me vem estranha indagação à mente. Ponho-me no lugar de cada personagem, e sinto suas dores e amores, como se eu mesma passasse por tais situações. Quando li tal trecho me deparei com uma dúvida. Se todas às vezes me obrigo a dar um rótulo para qual seja o sentimento, na minha ignorância contida, me obrigo a analisar cada minúscula partícula para um relatório detalhado, vivo o sentimento de todo?

4 de março de 2011

Desviei o olhar até sentir-me vazia, então depois de muito, olhei-o nos olhos. De que adiantou? Cá o sentimento novamente.

2 de março de 2011

Mathieu sentiu o ardor, mas não prestou atenção, olhava Ivich, que se penteava desajeitadamente diante do espelho, segurando os caracóis com a mão ferida. Acabou atirando os cabelos para trás, e o largo rosto apareceu inteiramente nu. Mathieu sentiu
um desejo áspero e desesperado.
— Você é linda — disse.
— Não — atalhou Ivich rindo —, sou horrivelmente feia. É o meu rosto secreto.
— Acho que gosto ainda mais dele do que do outro.

A idade da razão - Sartre

28 de fevereiro de 2011

Essa saudade, que volta e meia vem bater na portinha desse coração que só te pertence. Essa saudade, com sabor de chocolate e cheiro de garoa. Essa saudade...

26 de fevereiro de 2011

You'd probably laugh and say that we were worlds apart.

Provei teu veneno,
e a dor que vem depois.
Provei tua alegria,
e a tristeza que não tardou.
Provei tua sede,
e a água que faltou.
Só não provei do teu  pequeno grande amor.

25 de fevereiro de 2011

Dividir morangos e chamegos. Acordar com seus pesadelos e tomar as suas dúvidas. Encaixar a peça para cada problema, encontrando a solução. Sentir abraços e afagos, sentir pele com pele, calor com calor, adoçar o frio do inverno. Quero pra ontem, com dúvidas, com incertezas, sem passados, quero presente. Quero o gosto de não saber e descobrir sem pressa. Quero seus olhos e sorrisos, risadas e charminhos. Hoje, agora, e pra não mais acabar. Utópico, porém sincero.

23 de fevereiro de 2011

Perco-me em detalhes,
pequenas imaginárias epifanias.
Perco-me ao imaginar,
tal como a cor dos teus brilhantes olhos,
o gosto do teu suave beijo,
ou até mesmo o branco do teu cristalino sorriso.
Perco-me em você.
Em juras embaladas no teu doce hálito, sabor menta.
Perco-me nessa sua insensatez,
me perdi a fundo, quando te encontrei.
Onde estou?

22 de fevereiro de 2011

É a bala mais bela.

Existe alguém capaz de acalmar minha mente, desacelerando as batidas do meu coração. Com capacidade suficiente de diminuir o ritmo apressado das minhas vontades, com uma visão diferenciada de tempo. Alguém que me dá a tranquilidade das montanhas, nas confusões do dia a dia. Você que me alenta e me desvenda tão bem. Medo, esse que sempre tenho presente aqui. Medo de não poder concretizar meus planos e sonhos ao seu lado. Esse o qual, quando escuto tua voz boba ao telefone, se esvai e cede lugar ao amor.

Himitsu

E esse sentimento quase infantil,
se apodera,
toma conta,
invade,
sem bater,
sem avisar.
Vem, só vem.
Como quem não quer nada, vem.
Voa longe,
meus pensamentos posam em ti,
em teus olhos,
teu sorriso,
em teu jeito torto de se ver.
Não sou a busca, mas estou a sua espera.
Não demore.

20 de fevereiro de 2011

Acho que por saber que realmente acabou, e que meus sentimentos modificaram ou já são inexistentes, me sinto perdida.

- Alguém vende mapa, GPS ?

Can you feel it?

Não vejo mais o calor nas pessoas, o calor em colaborar, em ajudar, em ser agradável, em dizer 'Bom dia'. Hoje, sinto que as pessoas esbarram umas nas outras pra sentir esse calor de novo, sentir o empacto de um outro corpo quente, corpo que espera abraço, carinho, corpo que sente dores nas juntas e dores no coração, dores que não passam, não cessam, permanecem a espera daquele abraço. Apenas para sentir. O que falta é sentir.

No common sense.

Vai ver que era mentira,
vai ver que era verdade,
vai ver que tu queria,
vai ver que eu não,
vai ver que não era pra ser,
vai ver que faltou disposição,
vai ver que só restou saudade,
vai ver que não restou nada.
Vai ver ou vou eu?

14 de fevereiro de 2011

Só me restar acostumar com o peito latejando.
Um dia cicatriza, tenho certeza.
Mesmo que embora se cutucado vai doer, eu aguento.
Sempre foi assim, por que seria diferente agora?

11 de fevereiro de 2011

"Bebo uma bebida amarga de gosto forte
E torço que ela faça vomitar toda essa mágoa
Toda essa falta que você faz..."

Vinícius Queiroz

7 de fevereiro de 2011

"Eu espero que você me entenda, não o tempo todo, nem sobre todas as coisas, mas ao menos isso: tenho medo."

1 de fevereiro de 2011

"O amor não é floração passageira que a primavera põe encanto; é como o carvão da terra que precisa de séculos para se transformar em diamante e a aspereza do buril para transmudar-se em jóia."

Senzala - Salvador Gentile

31 de janeiro de 2011

Um exílio pelo avesso.

Contemplo um falso boêmio, pequeno burguês.
Extenso e profundo poço de regalias, todas feitas ao teu gosto.
Desejos, satisfeitos.
Amores, comprados.
Felicidade, corrompida.
Afinal, a pinga lhe dissolve as dores, ilusória satisfação.
Só não gaste teu dinheiro todo, porque mesmo pra um burguês a pinga não é de graça.

26 de janeiro de 2011

Tenho hortelã, tenho um cesto de flores.

Ontem não consegui dormir.
Motivo? Bom, insônia, claro. Mas, dessa vez, a insônia tinha uma razão. Fiquei tentando buscar tua voz nos meus registros de memória,- memória ruim, que não ajuda muito - e por fim, depois de vasculhar bastante, um tempo que me pareceu eterno, nada achei.

25 de janeiro de 2011

" And when I go away,

Ele a via como uma amiga, mas naquele momento, enquanto ela demonstrava aquela inocente fragilidade, ele a sentiu mais que isso, era mais úmido, mais gelado, mais carnal. Um sentimento que nem o próprio, sempre com a razão dos sentimentos, soube explicar. Era a vontade de a ajudar, aquela criatura parada diante dele, com a fronte molhada e os olhos marejados, era ela que despertava o sentimento mais profundo e sincero dele. Era a amizade que aflorava. Era somente ele e ela, e o mundo fora esquecido, mesmo que por breves instantes enquanto naqueles tão belos olhos sua visão permaneceu.

I know my heart can stay with my love." Paul McCartney - My Love

17 de janeiro de 2011

Mi dispiace devo andare via.

Namoro é um acordo comercial -ouvi de um amigo, e na hora realmente não concordei, mas agora, faz um baita sentido- todos fazem parecer romântico e não sei o que, -claro, você cresce, cria certa maturidade, lida com o modo de outra pessoa e acaba adquirindo certa paciência. Mas, no final de nada serve, você acaba assim, juntando seus pedaços, fria, confusa, pedindo mais uma dose e fazendo pose blasé.
Os pedaços já não se encaixam, e é assim, feito limão.

13 de janeiro de 2011

Goodbye pain.

Prometi a mim mesma que se não me chamasses, partiria. Parti.
Parti meus sentimentos, e bom, esses não se reconstroem.

11 de janeiro de 2011

10 de janeiro de 2011

Se com quatorze passos eu chegar ao passeio, me livro dessa idéia de vez. - Prometi a mim mesma.
Cheguei com os quatorze, mas o último fora maior que os outros.
Haha, sabichona. - Pensei.
Não, não, não dessa vez. Cheguei com quatorze e meio, prometi quatorze exatos.
Bom, tanto faz, a sorveteria continua lá.

6 de janeiro de 2011

Verifiquei se eram todos desconhecidos,
entrei,
sentei-me.
Dessa vez, sem a pressa desajeitada costumeira.

- Uma dose, por favor.
- Claro, senhorita.
- Melhor, trás logo toda a garrafa.

5 de janeiro de 2011

Vivendo num planeta perdido como nós.

Vejo-te tentando manusear,
tuas curtas e severas verdades.
Vejo-te tentando enganar a ti mesmo,
através de inocentes e translúcidas mentiras.
Vejo-te iludindo a ti mesmo,
com promessas que certamente não serão cumpridas.
Vejo-te assim, liso, limpo.
Espero-te com a visão embaçada, e os ouvidos cansados de uma
voz que não chega.
Imaginas que poderás viver a vida inteira entre parênteses?
Vejo tudo isso, só não vejo a ti mesmo.

O término do que não começou.

Com um olhar um pouco mais duro e míope do que era necessário, dei-te as costas e parti, como jamais havia sonhado antes, com uma coragem que me falta no real.

4 de janeiro de 2011

De boa vontade afastar-me-ia de mim própria, tenho necessidade de esquecer-me um pouco.

Boba, sorrindo feito japoninha.

Então, será real.
Cores, densas e verdadeiras.
Gostos e cheiros mais perto do que jamais pensei.
Formas que me enchiam os olhos, agora palpáveis e reais.
E no mesmo momento,
confusão nos sentimentos e sentidos.
Será que ao perder o gosto de sonhar o sabor será o mesmo?

3 de janeiro de 2011

Apego-me a textos,
alguns, na grande maioria, os quais já decorei.
Apego-me a sorrisos,
alguns até desconhecidos aos meus próprios olhos.
Apego-me a gestos,
melhor, apego-me as intenções de tais, isso conta bastante.
Apego-me a palavras,
frases mal ditas,
versos mal feitos,
sentimentos omitidos.
Rendo-me, entrego-me,
apegando-me assim as minhas pequenas epifanias.
Mas, por fim, simplesmente... apego-me.

20:03 e ainda espero.

Hoje me bateu uma saudade de escutar tua voz. Uma vontade de voltar aos velhos tempos. Ler tuas palavras perfeitas e quem sabe até teus olhos poder ver. E essa vontade me move, ainda. Por mais que eu não queira. E eu me deixo levar, pelo doce dos teus olhos. Eu olharia em teus olhos e também te amaria.